rss
twitter
    Saiba o que estou fazendo, siga-me:)

Por onde anda o bom jornalismo?

Existem algumas coisas que realmente me tiram do sério, principalmente quando o assunto é a péssima qualidade da informação no noticiário da TV. Trata-se, ao meu ver, da ausência do bom jornalismo. Não é novidade a imprensa se valer de coisas fúteis para prender nossa atenção, sem que nos demos conta de que estamos no meio de uma guerra pela audiência. Uma guerra suja, silenciosa e covarde travada entre os meios de comunicação, com o intuito de adquirir mais investimentos publicitários; que tolhe nossas mentes e fere suscetibilidades sob a égide da liberdade de imprensa.

No tocante à liberdade de imprensa, gostaria de fazer uma observação particular, que julgo muito justa e oportuna: ela é recente e, infelizmente, pouco conhecida no Brasil. É lógico que em um “sistema democrático” – políticos e mídia adoram essas palavras mágicas – todos têm seus direitos assegurados, especialmente o da informação. Porém, em nossa história houve um período de estagnação, no qual a liberdade de pensar e divulgar idéias que confrontassem os que estavam no poder era crime, e punida severamente. Ouso afirmar que a liberdade de imprensa foi a maior vítima daqueles tempos turbulentos.

Mas passado o truculento período da Ditadura Militar, eis que a liberdade de imprensa retornou aos noticiários e, aos poucos, ganhou espaço. Ao meu ver uma coisa maravilhosa, não fosse um detalhe crucial: seria necessário aprender novamente o significado de liberdade antes de empregá-la na imprensa. Não ouso fazer censura, posando de moralista. Isso é coisa típica de quem carece de argumentos racionais para legitimar suas idéias e tenta suprir a ausência de argumentos pela imposição. É algo condenável, como condenável também é o alarde que a grande mídia faz em seus noticiários sobre temas polêmicos, explorando a miséria humana até a exaustão.

Um exemplo disso é o “Caso da menina Isabela”, brutalmente assassinada pelo pai e a madrasta. O fato foi amplamente, digo, exaustivamente divulgado, e nos mórbidos detalhes, muitas vezes empregando-se a linguagem emocional com o intuito de comover, afinal, isso dá mais audiência do que simplesmente informar. O tal “Caso”, transformou-se, para mim, em um espetáculo repleto de drama, e revolta, exaustivamente abordado por plantões até na porta da cadeia, expondo para toda uma perplexa e curiosa nação a face cruel de um pai e uma madrasta que mataram uma menina indefesa. Desde o início os suspeitos estavam sendo expostos à fúria da população, mesmo antes da conclusão dos laudos. A trama dessa triste novela chamada de “O caso Isabela” extrapolou a ficção e transformou-se na versão brasileira do seriado norte-americano “CSI”, com a imprensa a demonstrar como foi feita a perícia, de que forma chegaram às conclusões e etc. O fato é que por mais triste que seja a morte da menina Isabela talvez se saiba muito mais sobre ela e sua família, que das pessoas mais próximas a nós, como o desempenho dos filhos na escola, por exemplo.

Sinceramente, não sei o que pode ser mais assombroso, se a frieza dos criminosos ou a entrevista “exclusiva” com a mãe da vítima num domingo, dia das mães, para o programa “Fantástico”. É Fantasticamente horrendo esse espetáculo sensacionalista.

Para mim, liberdade não está dissociada da responsabilidade. A liberdade começa na observância dos deveres e não apenas dos direitos. Ignorar esse aspecto dentro da “liberdade de imprensa” que todo mundo fala, mas ninguém define, é fomentar práticas antiprofissionais que podem induzir ao erro e total deturpação dos valores vigentes na “sociedade democrática” – eis outro termo em voga, adorado pela mídia e pelos políticos.

Para entender como o abuso da liberdade de imprensa pode destruir as reputações nessa guerra insana entre meios de comunicação, admitamos a hipótese de inocência do pai e da madrasta da menina. Nesse caso, como se sentiriam essas pessoas que tiveram um ente querido arrebatado de seu convívio? Fossem acusados de seu assassinato, encarcerados e com a integridade física ameaçada por uma multidão que, incentivada pela insensatez das matérias sensacionalistas, exigia justiça, pressionando órgãos públicos para que rapidamente apresentassem um culpado? Como estaria a integridade moral dessas pessoas? Que diria a imprensa? Dispensariam o mesmo tempo gasto com as matérias sensacionalistas que os denegriram para inocentá-los, ou dariam a desculpa de que estavam exercendo o dever de informar?

Sinceramente, penso que liberdade e responsabilidade na imprensa devem ser palavras sinônimas. Perdoem-me se pareço pretensioso em minhas observações, mas ao meu ver, esses execráveis espetáculos só podem ser combatidos se junto à liberdade de imprensa pudermos exigir mais respeito aos seres humanos, mesmo os criminosos, e cobrando um posicionamento ético e responsável dos meios de comunicação. Essas são as características que só o bom jornalismo é capaz de realizar.

Agora, pra encerrar de vez o que penso de toda essa asneira que vejo na TV, pediria que se alguém visse o bom jornalismo perambulando por aí, pedisse-lhe para que retornasse urgentemente.

Luis Ângelo Rosso Vigil

O que é realidade?

O que é real? Para responder essa, devemos olhar a fundo os objetos. Cada objeto é composto de elementos, que por sua vez são compostos de partículas separadas por um enorme vazio, que por sua vez, em interações umas com as outras nos remetem à solidez dos objetos que vemos, tocamos, sentimos.

A relação do vazio com as partículas é infinitamente maior, e se pararmos para pensar, tudo o que vemos, o que tocamos, e sentimos, nada mais é do que um grande vazio.
A minha realidade é a mesma tua? Nossa capacidade de percepção do meio em que vivemos se limita a três dimensões (3D), altura, largura e profundidade.

Não consigo imaginar uma quarta dimensão, nem uma quinta e, muito menos uma sexta.
Então, o que é real? Somos a realidade, ou fazemos parte de outra realidade imperceptível à nossa conciência?

Nossa percepção é limitada por que fomos condicionados à vermos o meio como estamos acostumados ou por limitação física da nossa conciência?

Consciência, isso é o que nos distingue dos demais animais. Somos seres que vivemos além dos instintos. Como adquirimos o certo ou o errado? Condicionamento pelo meio, ou herança genética?

Se o que estamos vendo, visualizamos por condicionamento, então a escolha pelo certo e errado, é feita pelo condicionamento predestinado?

Descartes põe em dúvida toda a nossa percepção, e isso é amplamente explorado em Matrix, afinal, como pode ter certeza se o que vemos é o realmente o que estamos vendo, e não o condicionamento em nossa mente feito por algo externo?
Descartes põe em dúvida toda a crença adquirida pela percepção. Ele afirma:
"Tudo o que, até o presente, aceitei como mais verdadeiro e certo, fiquei sabendo pelos sentidos ou através deles. Mas posso provar que algumas vezes os sentidos me enganam, e que é sábio não confiar inteiramente em algo que já alguma vez nos enganou" (Medit I, 145). "Visto que os sentidos nos enganam algumas vezes, decidi supor que nada fosse como eles nos fazem imaginar" (Discurso, VI, HR, 100-101, apud Williams, 35) 3."

Qual seria o parâmetro que nos permita distinguir uma percepção certa de uma equivocada?
Em seguida, Descartes levanta uma segunda argumentação:

"Devo lembrar que sou um homem, e, como tal, tenho o hábito de dormir. Durante meu sono, freqüentemente sonho, e no sonho tenho impressões semelhantes às que pessoas insanas têm quanto estão acordadas, ou até mesmo mais prováveis. Quantas vezes já não me ocorreu, em sonhos, que eu estivesse em determinado lugar, vestido de tal maneira, sentado próximo à lareira, quando, na realidade, estava na cama, dormindo. No momento presente, realmente me parece que é com olhos despertos que vejo este papel, que a cabeça que movimento não está adormecida, que é deliberada e intencionalmente que estico meu braço e vejo minha mão. O que acontece durante o sono parece não ser tão claro e distinto como as impressões que estou tendo agora. Mas ao pensar sobre tudo isso eu me relembro de que, em muitas outras ocasiões, tive ilusões semelhantes, enquanto dormia. Examinando cuidadosamente essas lembranças, concluo que, manifestamente, não existem indicações certas pelas quais possa claramente distinguir as impressões que tenho, quando acordado, das que pareço ter, enquanto durmo, e fico confuso. E minha confusão é tal que sou quase capaz de me persuadir que no momento estou sonhando" (Medit I, 145-146, Aune 9-10).

Se temos falsas percepções no sono, como sabemos se estamos acordados? O que nos garante e nos permite saber se não estamos em um sono induzido e imaginando tudo isso?
Estamos vendo o mundo realmente como ele é, ou, de alguma maneira como fomos condicionados à vê-lo?
Será que cabe a máxima: "nem tudo é o que parece"?

Confuso? Imagina eu...